sábado, 24 de junho de 2017

ANO "A" - DIA: 24.06.2017 
11 ª SEMANA DO TEMPO COMUM (VERDE)
SOLENIDADE DA NATIVIDADE DE SÃO JOÃO BATISTA (BRANCO)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

57Completou-se o tempo da gravidez de Isabel, e ela deu à luz um filho. 58Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Isabel, e alegraram-se com ela. 59No oitavo dia, foram circuncidar o menino, e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. 60A mãe, porém disse: “Não! Ele vai chamar-se João”.

61Os outros disseram: “Não existe nenhum parente teu com esse nome!” 62Então fizeram sinais ao pai, perguntando como ele queria que o menino se chamasse. 63Zacarias pediu uma tabuinha, e escreveu: “João é o seu nome”. E todos ficaram admirados. 64No mesmo instante, a boca de Zacarias se abriu, sua língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus. 65Todos os vizinhos ficaram com medo, e a notícia espalhou-se por toda a região montanhosa da Judeia. 66E todos os que ouviam a notícia ficavam pensando: “O que virá a ser este menino?” De fato, a mão do Senhor estava com ele. 80E o menino crescia e se fortalecia em espírito. Ele vivia nos lugares desertos, até o dia em que se apresentou publicamente a Israel.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

COMENTÁRIOS
"Retiremos do nosso coração todas as vaidades"

João é um referencial para nossa sociedade tão cercada por vaidades humanas

“O que virá a ser este menino? De fato, a mão do Senhor estava com ele. E o menino crescia e se fortalecia em espírito. Ele vivia nos lugares desertos, até o dia em que se apresentou publicamente a Israel” (Lucas 1,66.80).

Celebramos, hoje, com toda a Igreja, o nascimento de João Batista, o filho de Zacarias e Isabel, esse casal estéril, idoso, mas temente a Deus, consagrado e entregue ao amor divino. Por isso, Deus os abençoou e permitiu a fecundidade mesmo em idade avançada. Mesmo que a condição genética não fosse a melhor, eles conceberam um filho e este foi consagrado ao Senhor Nosso Deus.

É Jesus quem vai nos dizer: “Entre os nascidos de mulher não houve ninguém maior do que João Batista; contudo, o menor no Reino dos Céus será maior do que ele” (Mateus 11,11). Por que João é maior? Por causa da sua humildade, da vida discreta e humilde que ele vivia. É João quem dizia: “Convém que ele cresça e eu diminua”. João veio antes para preparar os caminhos para o Senhor, para abrir as portas para que Ele passasse, mas para ele nenhuma glória, nenhum reconhecimento humano. João era um homem despojado, penitente; ele penitenciava o seu coração, para não ser levado pelo gosto das vaidades.

Ao longo da vida, vamos crescendo e nos tornando pessoas vaidosas. A nossa vaidade já começa no ventre de nossa mãe. Nossas mães nos dão muito amor e ternura, mas, muitas vezes, alimentam nossas vaidades, querem que nós sejamos as crianças mais lindas, querem que nós sejamos melhores que os outros em tantas coisas. Crescemos na vida alimentando o orgulho, o sentido da competitividade do mundo em que vivemos. Crescemos e nos deixamos ludibriar pelas vaidades do mundo.

João, o Batista, aquele que vai batizar, é para nós o exemplo da humildade, do serviço, da entrega e da abnegação por causa do Reino de Deus. João nasceu, viveu e morreu sem vaidades. Ele nasceu todo de Deus, viveu para Deus e morreu em Deus. João é para nossa sociedade, tão cercada por vaidades humanas, um referencial; nela, a humildade de coração e o despojamento se fazem necessários.

Celebremos o nascimento de João Batista. E já que se tem o costume de acender fogueiras para celebrar o nascimento de João, aproveitemos as fogueiras para queimar todos os sentimentos de vaidades humanas que estão em nosso coração.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo
Sacerdote da Canção Nova

Peça ao Senhor que lhe mostre o caminho

Hoje, você precisa decidir por onde ir? Peça ao Senhor que lhe mostre o caminho

Durante o dia, preciso tomar muitas decisões, e não são decisões fáceis; muitas vezes, tenho duas opções boas, mas como escolher a melhor delas? A melhor escolha é aquela que agrada o coração de Deus.

“Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, vossa verdade me oriente e me conduza!” Nessas horas, a minha oração é esse Salmo. Eu peço o auxílio do Senhor, peço que Ele me mostre o caminho e que eu ande na verdade.

Hoje, você precisa decidir por onde ir? Peça ao Senhor que lhe mostre o caminho, que o conduza. Deus é pai, e como um bom pai, Ele quer pegá-lo na mão e levá-lo ao melhor caminho. Seja dócil e deixe o Senhor o conduzir.

Seu irmão,

Wellington Jardim (Eto)
Cofundador da Comunidade Canção Nova e administrador da FJPII

Solenidade do Nascimento de João Batista, grande anunciador do Reino

João Batista, grande anunciador do Reino e denunciador dos pecados

Com muita alegria, a Igreja, solenemente, celebra o nascimento de São João Batista. Santo que, juntamente com a Santíssima Virgem Maria, é o único a ter o aniversário natalício recordado pela liturgia.

São João Batista nasceu seis meses antes de Jesus Cristo, seu primo, e foi um anjo quem revelou seu nome ao seu pai, Zacarias, que há muitos anos rezava com sua esposa para terem um filho. Estudiosos mostram que possivelmente depois de idade adequada, João teria participado da vida monástica de uma comunidade rigorista, na qual, à beira do Rio Jordão ou Mar Morto, vivia em profunda penitência e oração.

Pode-se chegar a essa conclusão a partir do texto de Mateus: “João usava um traje de pêlo de camelo, com um cinto de couro à volta dos rins; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre”. O que o tornou tão importante para a história do Cristianismo é que, além de ser o último profeta a anunciar o Messias, foi ele quem preparou o caminho do Senhor com pregações conclamando os fiéis à mudança de vida e ao batismo de penitência (por isso “Batista”).

Como nos ensinam as Sagradas Escrituras: “Eu vos batizo na água, em vista da conversão; mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu: eu não sou digno de tirar-lhe as sandálias; ele vos batizará no Espírito Santo” (Mateus 3,11).

Os Evangelhos nos revelam a inauguração da missão salvífica de Jesus a partir do batismo recebido pelas mãos do precursor João e da manifestação da Trindade Santa. São João, ao reconhecer e apresentar Jesus como o Cristo, continuou sua missão em sentido descendente, a fim de que somente o Messias aparecesse.

Grande anunciador do Reino e denunciador dos pecados, ele foi preso por não concordar com as atitudes pecaminosas de Herodes, acabando decapitado devido ao ódio de Herodíades, que fora esposa do irmão deste [Herodes], com a qual este vivia pecaminosamente.

O grande santo morreu na santidade e reconhecido pelo próprio Cristo: “Em verdade eu vos digo, dentre os que nasceram de mulher, não surgiu ninguém maior que João , o Batista” (Mateus 11,11).

São João Batista, rogai por nós!

sexta-feira, 23 de junho de 2017

EVANGELHO DO DIA (Mt 11,25-30)

ANO "A" - DIA: 23.06.2017
10ª SEMANA DO TEMPO COMUM (VERDE)
SOLENIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS (BRANCO)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

25Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. 26Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 27Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.

28Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. 29Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. 30Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

COMENTÁRIOS
"O coração de Jesus vence nosso orgulho"

A humildade do coração de Jesus vence o orgulho, a soberba e as vaidades humanas tão presentes e aniquiladas dentro de nós

“Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso”(Mateus 11,28).

Hoje, celebramos o sublime e Sagrado Coração de Jesus. Que coração apaixonante! Causa em nós um verdadeiro amor, é um coração que nos ama muito, é extremo na forma de nos amar. É um coração que não se cansa de amar e perdoar.

Assim é o coração santo do Divino Salvador e Redentor Jesus Cristo. Quando eu olho para o coração d’Ele, preciso fazer aquela súplica: “Jesus, manso e humilde de coração, fazei com que o meu coração pobre e miserável seja semelhante ao Vosso coração”. Como é o coração de Jesus? É manso e humilde. O nosso coração não! O nosso é agitado, fatigado, ansioso, rancoroso e vingativo; por isso vive tão dilacerado por discórdias e acontecimentos que não dão certo.

Acalmemos e curemos o nosso coração, permitamos que ele seja transpassado pelo coração amado de Jesus. Olhemos para as virtudes do coração de Jesus e não permitamos que outros desejos e sentimentos estejam se aniquilando dentro do nosso coração.

É do coração do homem, nos diz Jesus, que vem os maus pensamentos, os maus desejos, é do coração do homem que vem a iniquidade, a perversidade, os enganos, furtos, falsidades, mentiras e tudo mais. Quando olhamos para o coração de Jesus, nosso anseio é para que o nosso coração seja lavado, purificado, santificado e renovado nesse coração, que é manso e humilde.

A humildade do coração de Jesus vence o orgulho, a soberba e as vaidades humanas tão presentes e aniquiladas dentro de nós. O coração sublime de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo nos resgata e refaz.

Olhemos, com todo amor, para o coração de Jesus e supliquemos: “Jesus, manso e humilde, fazei o meu coração semelhante ao vosso”.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo
Sacerdote da Canção Nova

Qual remédio cura a nossa decepção?

Precisamos combater e vencer a decepção

“Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém. Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido. Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. Os discípulos, porém, estavam como que cegos, e não o reconheceram” (Lc 24,13-16).

Nós, que ainda não temos sentidos para ver o Senhor, precisamos saber que, quando estamos na dor, no sofrimento ou em grandes alegrias, não estamos sós, porque Jesus está ao nosso lado como estava ao lado dos dois discípulos. A decepção cega e nos faz pessimistas. Aqueles dois eram discípulos, mas tudo o que aconteceu com Jesus, condenação e morte, decepcionou-os de tal maneira que ficaram cegos.

A decepção é inevitável, não depende de nós. Quantos se decepcionam e cultivam esse sentimento! O pior é que os efeitos desse sentimento aumentam dentro de nós com o passar do tempo.

Nós temos de renunciar às frustrações. É você quem deve dominar seus sentimentos; não eles a você. Nós, muitas vezes, permitimos que tristezas tão terríveis, tão tóxicas, nos contaminem. Uma vez que a decepção nos pega, precisamos combatê-la e vencê-la. As doenças da alma e do coração são piores do que as do corpo.

“Não guarde esse sentimento de decepção em seu coração”, aconselha monsenhor Jonas Abib

A decepção com pessoas e instituições ligadas às religiões e a Deus são piores, porque alguns acabam se decepcionando com a Igreja e, consequentemente, com o Senhor. Isso é terrível, porque daí vem o esfriamento e o afastamento em relação às coisas do Senhor. Como os discípulos de Emaús, você precisa superar esse sentimento, renunciando-o. Talvez as pessoas que o magoaram continuem erradas, mas é preciso que você não guarde esse sentimento em seu coração. Renuncie e salve a sua alma.

Se os nossos inimigos soubessem como sofremos quando nos decepcionamos, ficariam contentíssimos, porque eles, ao contrário de nós, continuam levando a vida deles. Não tenha medo, renuncie às suas decepções. Peça oração, peça que rezem com você pela cura do seu coração, dos seus sentimentos.

Os discípulos, decepcionados, entraram num pessimismo tremendo. Eles reconheceram quem era Jesus, mas ficaram tão cegos que a fé deles “eclipsou” e tudo o que disseram a Jesus foram coisas pessimistas. Mas o Senhor “entra em cena” e os repreende: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! Será que o Cristo não deveria sofrer tudo isso para entrar na sua glória?”(Lc 24,25-26). Então, Jesus começa a fazer, novamente, toda uma catequese para eles. Quando os discípulos convidam Jesus para ficar com eles e preparam a refeição, ao partir do pão, eles reconhecem o Senhor, mas Ele desaparece diante de seus olhos.

Meus irmãos, qual o jeito de sairmos da nossa cegueira espiritual e do pessimismo? É nos voltarmos para Jesus. Além de estar presente no Sacrário e na Santa Missa, o Senhor está conosco quando estamos trabalhando. Até mesmo quando você está fazendo coisas erradas, Jesus está com você. O remédio para a decepção é Cristo. Mas, muitas vezes, fazemos o contrário, decepcionamo-nos e nos afastamos d’Ele.

É impossível viver sem passar por decepções, porque isso não depende de nós. É impossível viver sem sofrimento. Por isso, temos de ser espertos e renunciá-los. O espinho entrou? Retire-o! É isso que Jesus está nos ensinando no dia de hoje.

Deus Pai, que cada um de meus irmãos e irmãs tenha a graça de superar as próprias decepções e suas consequências, que faz com que elas adoeçam e, muitas vezes, afastem-se da Igreja e do Senhor. Pai, toque, cure os meus irmãos! Dê-lhes coragem de renunciar logo que sintam os primeiros sintomas da doença.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Santa Margarida e o Coração de Jesus

Jesus se revela a Santa Margarida Maria Alacoque, religiosa da Ordem da Visitação, no mosteiro de Pary-le-Monial na França, levando-a ao culto ao seu Sagrado Coração.

A primeira revelação de Jesus a Santa Margarida Maria Alacoque aconteceu na festa do discípulo amado, João, em 27 de dezembro de 1773. Santa Margarida experimentou a mesma graça de recostar sua cabeça no peito de Jesus e Dele poder ouvir: “O meu Coração está tão apaixonado de amor pelos homens que, já não podendo conter dentro de si as chamas da sua ardente caridade, vê-se obrigado a expandi-las por teu intermédio e a manifestar-se, a fim de enriquecê-los dos seus preciosos tesouros e das graças de que necessitam, para evitarem a eterna perdição. E acrescentou: Eu te escolhi como um abismo de indignidade e ignorância para a realização de tão grande desígnio, a fim de que seja tudo feito por mim mesmo.” Em seguida disse: “Aqui tens um precioso penhor do meu afeto. Encerro no teu peito uma centelha das chamas mais vivas do meu amor, para te servir de coração e consumir-te até o ultimo momento. Até aqui tiveste o nome de minha escrava; de hoje em diante chamar-te-ás a discípula predileta do meu Coração.”

O Coração de Jesus, misericordioso por excelência é este abrigo de nossas almas. Nele acontece o encontro da nossa miséria com a Sua Misericórdia que nos salva, cura e liberta. Este coração que se deixou transpassar e se derramou em sangue e água, por amor, é o lugar do nosso repouso.

Jesus conhece os nossos pecados e já sabia o quanto precisaríamos de viver este processo de termos para onde voltar. É para o Sagrado Coração que devemos voltar e, Nele perdoados, podemos recomeçar.
Devemos desejar termos um coração purificado, para assemelharmos nosso coração ao de Jesus e assim sermos capazes de amar até a última gota de amor.

Na segunda aparição: “Pediu-lhe duas coisas, para dispô-la ao cumprimento dos seus desígnios: em primeiro lugar, que comungasse todas as primeiras sextas-feiras de cada mês, para reparar as injúrias que recebia no SS. Sacramento; em segundo lugar, que se levantasse todas as semanas na noite de quinta para sexta-feira, entre as onze e a meia noite e se prostrasse durante uma hora com a face a terra, em expiação de todos os pecados dos homens e para consolar o seu Coração deste sensível abandono, do qual o sono dos Apóstolos no Jardim das Oliveiras, era apenas um ligeiro anúncio e uma pálida imagem.”

Somos chamados também a vivermos um ato de reparação ao Coração de Nosso Senhor que continua sendo ferido pelo pecado da humanidade. Amá-lO por àqueles que não O amam, assim como fez Santa Margarida.

Leia mais:

Na terceira aparição pede Jesus: “É por isso que te peço que na primeira sexta-feira depois da oitava do SS. Sacramento (Corpus Christi) me seja dedicada uma festa particular para honrar o meu Coração, participando naquele dia da Santa Comunhão, e fazendo honrosa emenda e reparação decorosa pelas indignidades que ele recebe. E eu te prometo que o meu Coração se dilatará para expandir com abundância as riquezas do seu amor sobre todos aqueles que lhe prestarem essa honra ou procurarem que por outrem lhe seja prestada.”

Assim surge do próprio querer de Jesus, a Festa ao Seu Sagrado Coração, sendo instituída universalmente pelo Papa Pio IX em 1856.

A adoração ao Sagrado Coração faz parte da Doutrina da Igreja Católica, como escreve o Papa Pio XII, na encíclica Haurietis Aquas: “Inumeráveis são as riquezas celestiais que nas almas dos fiéis infunde o culto tributado ao sagrado coração, purificando-os, enchendo-os de consolações sobrenaturais, e excitando-os a alcançar toda sorte de virtudes. Portanto, tendo presentes as palavras do apóstolo são Tiago. “Toda dádiva preciosa e todo dom perfeito vem do alto e desce do Pai das luzes” (Tg 1, 17), neste culto, que cada vez mais se incende e se estende por toda parte, com toda razão, podemos considerar o inapreciável dom que o Verbo encarnado e salvador nosso, como único mediador da graça e da verdade entre o Pai celestial e o gênero humano, concedeu à sua mística esposa nestes últimos séculos, em que ela teve de suportar tantos trabalhos e dificuldades.” e em Santa Margarida encontra ímpeto para ser propagada.

O Coração de Jesus, humano e também divino, é uma fonte inesgotável de amor que jorra sobre toda a humanidade, por cada um de nós. Com confiança neste Amor verdadeiro, somos sustentados a cada dia. E, desejosos de termos um coração semelhante ao de Jesus, conseguiremos viver o Amor que Ele nos ensina nos tornando homens e mulheres novos.

Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!

Maria Clara Olea
Comunidade Canção Nova

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Só por hoje

Resultado de imagem para imagem de pessoa depressivaSó por hoje direi que estou de mal com a depressão e se ela der as caras aplicar-lhe-ei vinte bofetões de alegria.

Só por hoje darei alta aos analistas, psicólogos, psiquiatras, conselheiros, filósofos e proclamarei que se antes eu era porque era o que eu era, agora sou o que sou porque sou tão feliz quanto penso que sou.

Como penso que sou feliz, logo sou.

Só por hoje direi que a vida é uma festa, acreditarei que a vida é uma festa e farei da festa a minha vida.

Só por hoje admitirei que todo homem nasce feliz, passa a infância feliz, depois cresce e esconde a felicidade para que não a roubem, só que daí esquece onde a colocou. Mas só por hoje lembrarei que estás na minha mente.

Só por hoje rirei à toa e contar-me-ei uma piada tão velha quanto a história daquele sujeito que olhava por cima do óculos para não gastar as lentes.

Só por hoje, revelarei ao mundo que sou feliz e chamarei de absurda toda opinião contrária.

Só por hoje acreditarei que ri melhor quem ri por si mesmo. Já estou rindo.

Só por hoje informarei a todos que sou tão feliz quanto resolvi ser.

Só por hoje guardarei a seriedade no baú e deixarei que a criança interior brinque comigo o tempo todo.

Só por hoje estarei tão bem-humorado que rirei até até daquele anúncio que diz: “Vende-se uma mala por motivo de viagem.”

Só por hoje admitirei que ser feliz é tão simples quanto dizer que sou feliz.

Só por hoje estarei tão feliz que não sentirei falta de sentir falta da felicidade.

Só por hoje expulsarei da minha casa a tristeza e hospedarei a alegria, o sorriso e o bom-humor.

Só por hoje abrigarei a felicidade sob o meu teto, vesti-la-ei com roupas do bem-estar, dar-lhe-ei a comida do sorriso, a bebida da alegria e a divertirei com conversas agradáveis e positivas.

Só por hoje me divorciarei do passado, romperei o namoro indecoroso com os males do presente e casarei indissoluvelmente com a felicidade.

Só por hoje hastearei a bandeira do bom-humor sobre meu próprio território.

Só por hoje decidirei que sou definitivamente FELIZ.

Autor: Paulo Trevisan

EVANGELHO DO DIA (Mt 6,7-15)

ANO "A" - DIA: 22.´06.2017
11ª SEMANA DO TEMPO COMUM (VERDE)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus. 
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7”Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras. 8Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. 9Vós deveis rezar assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus. 11O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. 12Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. 13E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.

14De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. 15Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

COMENTÁRIOS
"Abramos o nosso coração para a graça do perdão"

Toda oração, para ser sincera, verdadeira e profunda, tem de ter perdão

“De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará” (Mateus 6, 14).

Jesus está, hoje, ensinando Seus discípulos a orarem, não só os discípulos de ontem, mas também os hoje e amanhã. Todos nós que somos seguidores de Jesus Cristo precisamos aprender a orar.

Não permita que seu coração entenda oração como uma repetição de palavras, ainda que precisemos repetir Ave-Marias, Pai-Nossos e fórmulas que nós aprendemos, pois a essência está dentro das palavras, não apenas nas repetições.

A essência da oração é o coração unido a Deus. Você pode rezar 10 mil Pai-Nossos e Ave-Marias na vida, mas, em nenhuma delas, seu coração estar em Deus. Não estou diminuindo nenhuma das suas orações, muito pelo contrário, é valoroso rezar e meditar o Santo Rosário, tudo aquilo que essa oração nos dá, mas rezemos com o coração e a vida. Rezemos meditando, contemplando, vivenciando e deixando que o nosso coração faça comunhão com Deus.

A primeira coisa fundamental da oração é a comunhão, o coração que se une a Deus naquele momento, porque, na oração, o Senhor nos purifica, lava-nos, liberta-nos, restaura-nos e realiza o Seu novo em nós. A segunda coisa é a ação, pois oramos e colocamos em prática aquilo que vivemos na oração.

Não podemos fazer nenhuma oração sem pedir perdão pelos nossos pecados. Em toda oração que pedimos perdão a Deus, Ele nos perdoa. Não tenhamos dúvidas, pois Deus nunca nos nega Seu perdão, apenas o perdão d’Ele é na medida do perdão que damos aos outros. Não é assim que rezamos? “Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos”.

Desculpe-me a expressão, mas seria falta de vergonha na cara pedirmos que Deus nos perdoe, implorarmos Seu perdão, mas não perdoarmos o irmão de todo o coração. Por isso, toda oração, para ser sincera, verdadeira e profunda tem de ter perdão! Temos de nos abrir à graça do perdão.

Muitos dizem: “Padre, é tão difícil perdoar!”. Por isso rezamos, para pedirmos que Deus nos dê essa graça. Precisamos pedir disposição para perdoar e nos “quebrar por dentro”, dilacerar nosso coração para perdoar.

Uma oração só é frutuosa, só chega autenticamente ao coração de Deus quando ela é regida pela força sublime do perdão. Não perdoemos pouco, perdoemos como Deus nos perdoa, pois Ele nos perdoa muito!

Perdoemos e amemos muito, para que nossa oração produza muitos frutos!

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo
Sacerdote da Canção Nova